Dúvidas

1) Parada cardíaca: o que fazer?
Leia mais »

2) Dor no peito: o que fazer?
Leia mais »

3) O que é Cateterismo, Angioplastia e Stent? Qual a importância disso tudo?
Leia mais »

4) Vacinas em adulto - quais preciso tomar?
Leia mais »
1) Parada cardíaca: o que fazer?

Por: Dra. Bruna Henares


A parada cardiorrespiratória (PCR) é uma emergência e o atendimento deve ser rápido.

Uma das principais causas é uma arritmia: fibrilação ventricular e o tratamento depende da massagem cardíaca adequada (ressuscitação cardiopulmonar-RCP) e do “choque” precoce com o aparelho desfibrilador externo automático (DEA).

A cada 1 minuto sem RCP a sobrevida reduz 10%, ou seja, em 10 minutos a chance de sobrevida é baixa.

Vários locais como metrô, shoppings, aeroportos e estádios já possuem o aparelho (DEA). Não dá tempo de tranferir para o hospital, o atendimento tem que ser na hora!

Em cidades que não tiver SAMU (192) acione o 193 (corpo de bombeiros).

Você pode salvar uma vida e fazer a diferença!

Sequência:

1) Chamar a vítima

Se encontrar alguém desacordado, tente chamá-lo segurando pelos ombros e diga “Você esta bem?”. Se a pessoa estiver inconsciente,ou seja, não se mexer e aparentemente não respirar: ligue para 192 e peça o desfibrilador externo automático (DEA) ou se tiver mais alguém com você peça para ela ligar para 192. Caso esteja sozinho, telefone antes de começar a atender a vítima.
SEMPRE PEDIR O DESFIBRILADOR AUTOMÁTICO (DEA).



2) Ressuscitação cardiopulmonar (RCP) - “MASSAGEM CARDÍACA”
Após identificar que a pessoa não responde, não respira e já pediu ajuda, inicie imediatamente as compressões torácicas (massagem cardíaca).

A compressão deve ser realizada no meio do peito - entre os dois mamilos - com o movimento das mãos entrelaçadas (uma em cima da outra), braços retos, movimentos rápidos, fortes na frequência de 100 a 120 vezes por minuto de acordo com a nova diretriz internacional e lembrando-se sempre de deixar o retorno completo do tórax após cada compressão cardíaca.

O trabalho pode ser revezado com outra pessoa, mas não deve ter interrupção. Se houver alguém com experiência e treinado, pode ser alternado com duas ventilações a cada 30 compressões. Porém, a recomendação da Sociedade Brasileiro de Cardiologia (SBC), é que o leigo faça apenas a massagem até a chegada do atendimento com o desfibrilador automático.



3) Desfibrilação
Quando o aparelho do desfibrilador (DEA) chegar, siga as instruções do aparelho, é só ligar (apertar botão 1) que o aparelho vai falar com você e dirá o que fazer e avaliará se o choque é indicado:

1) Ligue o aparelho;
2) Cole as pás no tórax do paciente;
3) Afaste-se do paciente para o aparelho analisar o ritmo;
4) Se indicado, aperte o botão na luz que pisca, para dar o choque e imediatamente volte a fazer massagem cardíaca até o socorro avançado chegar!



R. Cândido do Nascimento, 50 - Jd. Paulista
São Paulo - SP | CEP: 04503-090
Tel: 55 (11) 3052-3558 | 3052-1506
E-mail: cardiologia@brunahenares.com.br

© 2014 Todos os direitos reservados - Site dedicado ao público leigo, baseado em opinião da autora.